quinta-feira, 29 de março de 2012

Duas horas e meia em quinze minutos

Numa outra postagem mecionei um trabalho que fiz em que levava cerca de duas horas e meia pra me aprontar, pois bem, falarei mais dele hoje:

Foi em "... Eternamente...". Uma cena de 15 minutos inspirada no conto "O Retrato Oval" (ou "O Retrato Ovalado") de Edgar Allan Poe. O texto é lindo e a cena, fidelíssima, ficou emocionante também. 

Pra apresentar essa cena havia todo um verdadeiro ritual. Fazia babyliss no cabelo todo e prendia (só isso levava cerca de uma hora e meia), depois fazia a maquiagem e todo o conjunto tinha que ficar idêntico ao quadro. Por fim, colocava o vestido que era composto de dois saiotes para dar volume, a saia e o corpete. O resultado você vê na foto abaixo:
A estréia foi num festival de cenas de Santos, o FESCETE. Entrei em cena tremendo e como é possível ver no vídeo abaixo, o início da cena era mágico, romântico... E eu tremendo. Quando chegou o momento de começar o texto em si eu respirei fundo e dali em diante relaxei. Meu maior conforto foi perceber, no decorrer da cena, que meu companheiro Daniel Maia estava tão tenso quanto eu, as mãos dele estavam frias. Mas deu tudo certo! Essa apresentação nos rendeu alguns prêmios e minha primeira indicação ao prêmio de Melhor Atriz. 
Cerca de duas horas e meia pra me arrumar pra ficar quinze minutos em cena e morrer no final. E como valia a pena! A cena era maravilhosa, meu companheiro de cena não poderia ser melhor e o texto e a direção de Waldir Correia eu sou suspeita pra falar, pois sou super fã! Agradeço imensamente pela oportunidade de fazer um trabalho tão bonito quanto este e por ter começado com um diretor tão atencioso e que hoje faz tão parte da minha vida que o considero da família, é meu segundo pai.
Abaixo vai um vídeo com a cena. Perdoem a falha técnica no final da gravação, mas dá pra ter uma boa idéia e apreciar o trabalho. Espero que gostem!


terça-feira, 27 de março de 2012

quinta-feira, 22 de março de 2012

Produção

Dia desses conversando com um amigo fiz o seguinte comentário: "Acho que só devia ser permitido dizer que faz (ou que já fez) teatro por quem já construiu um palco". Claro que não literalmente! hahaha O que eu quis dizer é que só se pode dizer que se faz teatro quando se participa de todas as etapas, do processo completo do fazer teatral. 

Fazer teatro é muito mais do que estar no palco. Fazer teatro é carregar e montar cenário, abrir cortina, operar luz/som, costurar figurino, enfim... "Construir um palco"!

Eu mencionei numa postagem anterior que se deve ser gentil com os técnicos da produção de um espetáculo, pois todos têm a mesma importância. E é isso mesmo! Um ator sozinho em cena sem qualquer recurso desempenha bem sua função, mas se tiver alguém pra abrir as cortinas, dar play no som, acender e apagar as luzes, etc. é muito mais interessante! O figurino, a iluminação e tantos outros componentes enriquecem um espetáculo e um bom convívio entre todos os envolvidos reflete positivamente no trabalho.

Eu já tive o prazer de estar no palco e nos bastidores e posso dizer com certeza que o nervosismo, a emoção e o orgulho no final são os mesmos! Estar operando o som, por exemplo, é tão gratificante quanto estar em cena. Dá orgulho ver um trabalho sendo admirado e saber que se você não estivesse ali pra acender as luzes o espetáculo não aconteceria ou que se você não estivesse em cena para viver o personagem também não!

Abaixo vai uma foto que comprova minha dedicação na produção de um espetáculo. hehe
 Fazer teatro é conhecer e participar ativamente de cada pedacinho dele!

sexta-feira, 16 de março de 2012

Teoria Vs. Prática

Quando digo que sou atriz e que faço teatro desde 2001, algumas pessoas me perguntam coisas do tipo "Você é formada?"... "Fez curso onde?"... Aí, entre outras coisas, vem a mente a seguinte frase: "Não somos nós que escolhemos a arte. É a arte quem nos escolhe!"

Não, não sou formada! Pretendo um dia me especializar sim, mas até o momento minha maior base teórica é minha própria curiosidade e pra não dizer que não tem mais nada, fiz um curso de História do Teatro há alguns anos. Sempre fui autodidata, se quero saber mais sobre algo pesquiso, corro atrás e me informo. Com o teatro, minha maior paixão, não poderia ser diferente. Inclusive, minhas pesquisas constantes sobre o assunto renderam um rico conteúdo no meu site Desvendando Teatro, que hoje ajuda muitas outras pessoas que desejam saber mais sobre teatro.

Mas de que adianta as teorias, saber que o primeiro ator foi Téspis, que  Augusto Boal foi fundador do Teatro do Oprimido ou que o Teatro do Absurdo foi criado na segunda metade do século XX se na prática, no palco, não pensamos em nada disso? Um ator pode ser impecavelmente maravilhoso em cena sem saber que o nome do pano preto que fica no fundo do palco é rotunda.

Claro que é interessantíssimo conhecer a teoria, saber cada detalhe do que está fazendo. A teoria é importante sim, mas não é tudo! Na hora do vamos ver, de encarar a platéia e transmitir verossimilhança não há Stanislávski que te ajude. Tá contigo e pouco vai importar se você conhece e/ou utiliza (consciente ou incoscientemente) o método de interpretação mais lembrado do mundo.

quinta-feira, 8 de março de 2012

"Textando"

Sempre ouvi muita gente falando sobre a dificuldade pra decorar um texto. Acho até que algumas pessoas confundem a decoreba usada na escola quando vamos fazer uma prova com decorar um texto a ser interpretado. É diferente! Claro que algumas técnicas utilizadas são as mesmas ou bem parecidas, mas é diferente! Um detalhe a ser levado em consideração é que na hora de decorar um texto algumas pessoas decoram somente a sua parte, as suas falas e acabam por saber ´só uma parte da história a ser contada em cena. É indispensável que o ator saiba todo o texto e não apenas as suas partes. Sabendo todo o texto fica mais fácil improvisar no caso de um branco e ajudar um colega meio perdido em cena também. É preciso conhecer bem todo o contexto da história.

Continuando na ordem cronológica dos acontecimentos... Minha estréia com texto (vamos dizer assim) foi no espetáculo "As Traíras" o qual mencionei no post anterior que comecei na figuração. Mas a estréia, digamos, pra valer mesmo, foi na cena "... Eternamente..." (cena de 15 minutos que eu levava 2 horas pra me apronta e morria no final, mas isso eu conto melhor em outro post).

Nunca tive dificuldade pra decorar texto. E nessa época, me dedicava com afinco à tarefa! Com o tempo fui me sentindo mais segura e hoje, até pela urgência exigida no Teatro Empresarial (também falarei melhor disso depois), tenho ainda mais facilidade pra decorar. Essa semana mesmo, eu tinha um texto de 7 páginas pra decorar pra noite de segunda. Peguei no texto só no dia, li umas 5 vezes no máximo e no ensaio da noite, estava com ele decorado. Claro que engasgava numa coisa outra, mas estava decorado. Até mesmo porque, por mais decorado que esteja um texto, quando chega a hora de ensaiar sem ele pra ler... Tudo complica! Dá branco e você diz pra você mesmo: "Puxa, mas tava decorado!" É assim mesmo!

Existem algumas técnicas pra decorar texto. Pra mim só funciona duas delas: a primeira é ler, ler, ler, reler, reler e reler o texto todo. E a segunda é escrever o texto. Vez ou outra, depois de ter lido e relido diversas vezes, eu leio o texto tapando as minhas falas com alguma coisa. Aí eu leio o texto, digo a minha fala e depois confiro. Mas isso é só uma forma de eu me certificar que estou com o texto realmente decorado.

A verdade é que não há segredo algum. A forma mais eficaz de se decorar um texto e se concentrar e ler vááááááááárias vezes até já estar tão gravado na mente que a leitura começa a entediar de tanto que você já conhece a história em seus mínimos detalhes. 

A leitura é muito importante e pra um ator é ainda mais! Infelizmente, a correria do dia a dia nos impossibilita de exercitar mais a leitura como deveríamos. Mas é sempre uma boa pedida substituir algumas horas na frente do computador pelas páginas de um livro ou de um texto a ser decorado e/ou encenado. 
E então, vamos ler mais?



PS: Feliz Dia Internacional da Mulher para todas! E até a próxima postagem...