quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

O Tamanho do Personagem

Minha primeira experiência no palco foi no chamado elenco de apoio ou figuração, se preferirem. 

É engraçada a forma de pensar de algumas pessoas... Acham que personagem bom é personagem com fala, o protagonista ou antagonista. Acredito na frase que diz: "Não existe personagem pequeno, existem atores pequenos e seus egos inflamados". Se um ator se doa totalmente, se dedica de verdade ao trabalho, seja qual for o personagem, ele irá brilhar! Pode ser um simples traseunte que passa láááá no fundo da cena, mas vai brilhar! Quando falo desse assunto, me lembro sempre do ator Rodrigo Santoro numa entrevista em que falava de sua participação no filme "As Panteras". O cara aparece umas 4 ou 5 vezes no filme, entra mudo e sai calado em todas elas e o que ele disse a respeito? "Dei o melhor de mim!" Fato comprovado já que após essa  participação singela, ele foi um dos personagens centrais do filme "300". Se valeu a pena? Claro que valeu! E o personagem podia não ter uma carga tão grande, mas ele fez o seu melhor e foi recompensado por isso. Não estou dizendo que um ator deve aceitar qualquer personagem pensando nos frutos que isso possa trazer, mas sim que deve se doar da mesma forma em todos os trabalhos que fizer. Sempre com a mesma dedicação, com o mesmo amor e profissionalismo.

Voltando à mim: A primeira vez que participei de um espetáculo, foi na figuração. E garanto, na hora o nervosismo é tão grande que você nem pensa na "importâcia" do seu personagem, você só quer que acabe logo pra você relaxar. Mas aí, o espetáculo vai rolando, vai se aproximando do final e você pensa: "Mas já? Foi tão rápido!" E só quer mais! Nesse ponto só existem dois caminhos: Ou você se desespera, abandona tudo e desiste ou vicia de vez e segue carreira. 

Estar no palco é aterrorizantemente maravilhoso! Por mais que as luzes não te deixem ver a platéia, você sabe que tem pessoas ali e que estão olhando pra você. E já que não dá pra fugir, o que resta é relaxar, aproveitar o momento sem correr com suas falas e/ou passos e transmitir toda a emoção do seu personagem. Dar o seu melhor! Se for passar de um lado pro outro do palco, faça isso da melhor maneira possível... Se for entrar em cena dizer uma frase e sair, faça dessa frase a chave do espetáculo... Se for um dos personagens centrais, conduza o enredo para o melhor do espetáculo... Seja como for, "ame a arte em você e não você na arte" - Stanislavski. Seja humilde! Aproveita e seja gentil com seus colegas de cena e também com os técnicos, todos têm a mesma importância!

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

O Começo...

Primeiramente, gostaria de dizer que pretendo usar o espaço deste blog para compartilhar as experiências boas e ruins que vivi desde que comecei a fazer teatro.

A arte, de certa forma, sempre esteve no meu sangue! Minha mãe foi atriz de radionovela, interpretava três personagens (a avó, a mãe e a filha) na mesma novela. Não tive a oportunidade de ouvir uma de suas participações, mas presenciei alguns momentos inspirados dela me ajudando na construção de meus personagens quando comecei. Ficou mais do que provado que a minha veia predominantemente "trágica" é uma herança genética da minha mãe. Minha irmã também teve suas experiências no campo artístico, mas eu fui a única louca da família a enveredar integralmente por este mundo e ter a vontade de viver de arte... Viver de teatro!

Comecei no ano de 2001 na Cia. Teatral As Três Faces da Lua em Santos/SP. Confesso que procurei o teatro inicialmente por curiosidade, mas esse bichinho danado do teatro quando invade o coração pra valer, não há quem tire. Me apaixonei! E ao contrário de boa parte dos jovens adolescentes que entram para o teatro, eu nunca sonhei com sucesso ou objetivei estar na TV ou algo parecido. Comecei a fazer teatro e me apaixonei pelo "fazer teatral" puro e simples! Criar, exercitar a imaginação, viver outras vidas, mostrar a realidade com arte, divertir, advertir, ensinar, documentar e instruir. Foi por isso que eu me apaixonei!

E o que se segue... Vou contando por aqui aos poucos.